Open Banking

Entenda o novo cronograma de implementação do Open Banking

A previsão inicial do Banco Central para a integração de todos os meios de pagamento com o Open Banking era 30 de agosto deste ano. No entanto, devido à necessidade de testar o sistema de compartilhamento de dados, o calendário precisou ser ampliado e, agora, será escalonado até a data de 30 de setembro de 2022. 

 

Segundo apontou o Banco Central, o novo cronograma foi necessário porque haverá várias entregas de etapas do Open Banking simultâneas. Assim, as instituições participantes ganharão tempo para se adaptarem às novas implementações e fazerem testes antes de disponibilizar serviços e produtos para os consumidores. 

 

O que vimos até aqui? Em vigor desde 1º de fevereiro, a primeira fase do sistema financeiro aberto abriu a possibilidade de os bancos compartilharem informações sobre produtos, serviços, canais de atendimento e localização de agências. Dessa forma, com base nos dados coletados, essas instituições financeiras puderam fazer comparações por meio de APIs (application program interface), como as desenvolvidas pela Quanto.  

 

A segunda etapa de implementação, com início em 15 de julho, não sofreu alterações com o novo cronograma. Ela envolve a troca de informações cadastrais e de transações financeiras. Nessa fase, os clientes poderão autorizar o compartilhamento de seus dados financeiros e fazer a portabilidade de suas informações com outros bancos e fintechs. Ou seja, até aqui, nada mudou.

 

Novo cronograma foi adiado da terceira etapa em diante

 

O cronograma do Open Banking foi adiado da terceira etapa em diante. A partir de 30 de agosto, apenas os serviços de transferências via Pix serão incluídos no sistema financeiro aberto. Originalmente, a previsão era que todos os meios de pagamento – débito em conta, pagamento com boletos e transferências via TED e DOC – fossem compartilhados. 

 

Com isso, os clientes teriam acesso a serviços de pagamento fora do ambiente do banco e não apenas nos canais convencionais das instituições, como agências, caixas eletrônicos, sites ou aplicativos. No entanto, agora, apenas o Pix poderá ser compartilhado a partir de 30 de agosto.

 

E por que começar pelo Pix? Porque trata-se de um sistema desenvolvido pelo próprio Banco Central e, por isso, está mais padronizado que os serviços desenvolvidos individualmente pelos bancos.

 

Demais etapas do novo cronograma do Open Banking

 

Pelo novo cronograma, só a partir de 15 de fevereiro de 2022 que as transferências para contas do mesmo banco e TEDs integrarão o Open Banking. Já em 30 de junho de 2022, será a vez dos boletos bancários e depois, em 30 de setembro de 2022, o serviço de débito em conta também passará a ser compartilhado entre as instituições no sistema financeiro aberto.

 

Quanto-OBCronograma-05

 

Como é possível observar no infográfico acima, outro ponto que estava previsto para agosto de 2021, mas foi adiado, é o encaminhamento de propostas de crédito aos clientes. Isso acontecerá a partir de 30 de março de 2022 e usará como base as informações que os consumidores autorizarem compartilhar com as instituições para, em troca, receberem propostas mais personalizadas.

 

A quarta fase, que integra outros produtos financeiros, como operações de câmbio, seguro, investimentos e previdência privada, foi mantida para 15 de dezembro de 2021. No entanto, também haverá um escalonamento aqui. Na data original, haverá apenas a troca de informações básicas entre as instituições financeiras, como lista de preços, produtos e taxas, sem envolver dados de clientes, o que agora está previsto para o dia 31 de maio de 2022. É a partir daqui que o Open Banking será ampliado para o Open Finance. 

 

Detalhamento do novo cronograma de implementação do Open Banking

 

15 de julho de 2021

Início da fase 2, com a troca de dados de cadastros e de transações entre as instituições, como produtos e serviços associados às contas dos clientes.

 

30 de agosto de 2021

Início da fase 3, com o compartilhamento de serviços de transferências pelo Pix.

 

15 de dezembro de 2021

Início da fase 4, com a troca de informações entre as instituições sobre os demais produtos financeiros, como câmbio, investimentos, previdência e seguros.

 

15 de fevereiro de 2022

Compartilhamento de serviços de transferências entre contas do mesmo banco e TED.

 

30 de março de 2022

Compartilhamento do envio de propostas de operações de crédito a clientes que aderirem ao Open Banking.

 

31 de maio de 2022

Compartilhamento de dados de clientes sobre demais operações financeiras, como câmbio, investimentos, previdência e seguros.

 

30 de junho de 2022

Compartilhamento de serviços de pagamento por boleto.

 

30 de setembro de 2022

Compartilhamento de serviços de débito em conta.



Fonte: AgênciaBrasil