Open Finance

Dados e curiosidades sobre o desempenho do Open Finance

A partir de diferentes perspectivas, é possível perceber que o mundo converge rumo a uma mudança sem precedentes no mercado financeiro e podemos ver isso ao analisar o desempenho do Open Finance e outros dados.

 

Antes de falar sobre os números mais recentes, voltemos um pouco no tempo, mais precisamente a 2019. Em agosto daquele ano, a Ernst & Young (EY) publicou um relatório no qual afirmava que os consumidores brasileiros tinham um alto potencial para adotar o Open Banking. 

 

Segundo divulgou a EY, um dos motivos para isso é que temos - em número de usuários - um dos maiores mercados de pagamentos digitais, enquanto 73% dos entrevistados na pesquisa disseram naquela época que se sentiriam confortáveis usando um provedor de serviços bancários online, como se fosse um marketplace dos bancos. 

 

Além disso, os brasileiros obtiveram a melhor classificação no EY Open Banking Opportunity Index com relação ao sentimento geral do consumidor em relação ao Open Banking. 53% dos participantes disseram que se sentiram à vontade para compartilhar dados financeiros com terceiros, isso claro, se a segurança dos dados pudesse ser garantida. 

 

Inclusive, nessa mesma época, a Wunderman Thompson Data realizou uma pesquisa justamente para entender algumas questões dos consumidores (desta vez, americanos) em relação à privacidade e segurança de dados. E eles descobriram que: 

 

  • Segurança de dados era realmente uma das principais preocupações dos americanos; 
  • 58% dos participantes responderam que a segurança das informações pessoais era sua principal preocupação;
  • 89% achavam que a maneira como as empresas adquirem e usam dados parece sorrateira;
  • 89% achavam que as empresas são deliberadamente vagas sobre como a troca de “dados para benefício” realmente funciona;
  • 84% achavam que, nos últimos anos, as empresas receberam mais controle sobre suas informações e dados pessoais do que eles;
  • Apenas 38% sentiam que tinham controle total de suas informações e dados pessoais.

 

Segurança das informações em primeiro lugar

 

Apesar da pesquisa ter sido feita com americanos, é possível traçar muitos paralelos com os consumidores brasileiros. Afinal, não faltam por aqui estudos e pesquisas que demonstram a desconfiança em geral sobre o uso de dados e informações pessoais. É por isso que o Open Banking brasileiro conta com diversas camadas de proteção a essas informações. 

 

Fora a obrigação de cumprimento dos padrões de segurança previstos nas normas do BC (leia aqui), as instituições também devem atender aos direitos dos titulares dos dados pessoais previstos na LGPD, tais como:

 

  • Confirmação da existência de tratamento;
  • Permissão de acesso e correção de dados; 
  • Direito de ter os dados anonimizados e eliminados;
  • Revogação de consentimento (que também está prevista expressamente no Open Finance).

  

Vale destacar também que a proteção de dados dentro do Open Finance está garantida  por meio do consentimento e da portabilidade das informações dos consumidores. E essa proteção também é garantida como um direito fundamental pela Constituição da República. 

 

Desempenho do Open Finance mostra confiança em alta

 

Se a desconfiança com relação à segurança e proteção dos dados poderia ser um sinal de alerta, o número crescente de chamadas de APIs bem-sucedidas mostra que o ceticismo inicial com o novo sistema foi superado (confira na tabela abaixo). 

 

Captura de Tela 2022-06-07 às 10.53.54

 

Mas não é só. Dados da Quanto também apontam que o desempenho do Open Finance é promissor nesse início de jornada. O que vimos por aqui até agora:

 

  • Mais de 4 milhões de brasileiros já foram impactados pelo fluxo da Quanto;
  • Utilizando dados de Open Banking gerados pela Quanto, conseguimos observar um aumento de quase 29% na taxa de aprovação de crédito de um de nossos clientes;
  • O mesmo cliente também melhorou em 37% a precisão do seu modelo de crédito.

 

Esses números preliminares mostram não apenas que os brasileiros são adeptos ao Open Finance, como também indicam que há muitas oportunidades a serem exploradas. 

Leia também: