Open Finance

Entenda as diferenças entre Open Banking e Open Finance

Para entender as diferenças entre Open Banking e Open Finance é preciso ter clareza de que um abre caminho para o outro. Isso quer dizer que o Open Banking é o início de uma jornada cujo fim é o Open Finance. 

 

Open Banking, como o próprio nome propõe, é a abertura dos dados bancários. Abertura porque, até então, as informações financeiras bancárias dos clientes eram restritas aos bancos e outras instituições do setor bancário. Ou seja, com o Open Banking, os dados passam a pertencer aos próprios usuários, que podem consentir ou não em compartilhá-los com outros bancos a fim de receberem propostas de produtos e serviços mais personalizados e vantajosos.

 

Quais dados são esses? Tudo. Informações como renda, movimentações e transações bancárias, pagamentos, investimentos. Enfim, tudo que, antes do Open Banking, estaria limitado ao controle e acesso dos próprios bancos. Agora, no entanto, os usuários decidem o que querem fazer com os seus dados. 


Compartilhamento de dados


A ideia de abrir dados financeiros pode soar estranho à princípio, mas é uma prática tão antiga quanto o próprio mercado financeiro. Basta partir da premissa de que empréstimos sempre foram feitos com base em garantias de pagamento. E para tanto, o solicitante do empréstimo abre suas informações: salário, propriedades, investimentos. Para tentar a aprovação de crédito, mostra tudo que possa advogar em seu benefício.

O Open Banking é exatamente isso, com a diferença de acontecer em um ambiente seguro, regulado e amparado por diversas diretrizes estatutárias, judiciárias e legais. Abrir os dados no ambiente do Open Banking e consentir em compartilhá-los com outras instituições bancárias é abrir um novo leque de possibilidades. Empresas ampliam seus conhecimentos sobre os clientes e, assim, conseguem desenvolver produtos e serviços muito mais específicos para cada usuário.  

 

Trata-se de uma nova dinâmica e forma de interagir com o mercado bancário. Um movimento que começa a impactar outros setores. Open Insurance e Open Delivery são conceitos que já se aproveitam do Open Banking para dar mostras de até onde a abertura dos dados pode chegar. 

 

Diferenças entre  Open Banking e Open Finance

 

No Open Banking existe essa nova forma de compartilhamento de dados dentro do ambiente bancário, enquanto no Open Finance isso acontecerá de maneira bem mais abrangente. Essa, talvez, seja a primeira grande diferença entre Open Banking e Open Finance. Mas existem outras.

Como o Open Finance não se restringe apenas aos bancos e instituições financeiras, poderá haver um aumento de competitividade com a entrada de novos players no mercado.  Serão mais empresas oferecendo produtos e serviços cada vez mais personalizados à medida que os usuários aderirem ao sistema e consentirem compartilharem suas informações.

Mas para que isso aconteça, é necessário uma base sólida, à prova de falhas, segura e que inspire confiança. Esse é o papel do Open Banking, ser o alicerce de uma forma inédita de vender e, principalmente, de consumir produtos e serviços bancários. Ser o pilar e o ambiente de testes de uma estrutura ainda mais robusta que está por vir, onde o usuário é o centro de tudo e o mercado muito mais competitivo.

 

Resumindo, enquanto o Open Banking promove mudanças no sistema bancário, impactando principalmente bancos e fintechs, o Open Finance amplifica isso para o sistema financeiro como um todo, levando esse novo fluxo de dados para todas as empresas.

 

Leia também: