Mercado Financeiro

Gestão financeira com o Open Banking: vantagens e desafios

O sistema bancário está sofrendo uma grande transformação que vai impactar usuários de bancos e instituições financeiras em todo o mundo. 

 

Estamos falando do Open Banking, um modelo que facilita o compartilhamento de dados em organizações do mercado financeiro. As empresas, é claro, não ficam de fora: os gestores financeiros de companhias precisarão se adequar às mudanças e incorporar os benefícios. O novo sistema trará uma série de mudanças do dia a dia desse líder, que se dedica à gestão de custos e despesas, além de uma série de outros processos financeiros.

 

Como isso acontece? Você descobre as oportunidades e os desafios da gestão financeira com o Open Banking aqui.

1. Open banking em empresas: maior visão do negócio

 

A essa altura do campeonato, ninguém duvida de quão valiosos são os dados para qualquer empresa. A tendência é que, com o Open Banking para empresas, essas companhias terão acesso a uma visão integrada dessas informações. 

 

De acordo com uma pesquisa realizada pela PwC em parceria com o Open Data Institute, o novo sistema trará plataformas financeiras integradas. Na prática, isso significa que o gestor financeiro poderá gerenciar contas, empréstimos e cartões corporativos de diferentes instituições financeiras em um só lugar. 

 

“Vejo caminho para que as pessoas e empresas possam gerenciar suas informações financeiras de uma forma intra-plataforma”, explica Bernardo Almeida, o Finance Owner da Conta Simples.

Para analisar todos esses dados, os times financeiros poderão contar ainda com ferramentas avançadas de análise e predição. É que o Open Banking abrirá caminhos para que empresas ofereçam serviços de recomendação a partir de open data, as informações do mercado financeiro que foram compartilhadas.

 

2. Melhorias de processos no financeiro

Mais uma tendência apontada pelo estudo The future of banking is open, uma parceria entre PwC com o Open Data Institute, está na melhoria de processos administrativos. Nos departamentos financeiros, isso se traduz na automação de atividades e na consequente economia de tempo.

Almeida completa: “muitos dos trabalhos operacionais que hoje necessariamente precisam de pessoas poderão ser realizados de forma instantânea por meio de softwares e APIs”. O resultado, de acordo com ele, é de mais eficiência: “os times poderão se dedicar mais às tarefas que são mais relevantes do ponto de vista estratégico”, diz Bernardo Almeida.

 

3. Gestão que evita fraudes financeiras

O compartilhamento de dados no sistema aberto é seguro e acontece mediante autorização do usuário. Isso significa que ele é opcional! Os padrões de segurança do Open Banking, portanto, não devem ser uma preocupação nas empresas.

Líderes, gestores financeiros e CFOs, por isso, devem seguir tomando os mesmos cuidados para evitar as fraudes financeiras. Afinal, há sempre golpistas buscando maneiras de capturar informações dos usuários para usos maliciosos.

 

Com a transformação digital na gestão financeira, esses protocolos de segurança ganham novos contornos e é preciso se atualizar. Portanto, uma boa prática na gestão de empresas é investir na capacitação e na conscientização de toda a equipe sobre cibersegurança e compartilhamento de informações sigilosas.


4. A adaptação ao Open Banking

 

O sistema bancário aberto é um universo de boas oportunidades. Mas toda novidade traz algumas interrogações. De acordo com o Finance Owner da Conta Simples, “o grande desafio para os gestores financeiros é o grau de adaptabilidade que eles terão ao Open Banking”. Ele explica que os gestores financeiros são os protagonistas: eles precisarão liderar as mudanças em suas organizações “em prol da adoção das tecnologias envolvidas”.

O palpite de Bernardo Almeida é que as empresas da nova economia sairão na frente: “vai depender do tamanho das empresas em que estão inseridos, sendo que as menores e mais ágeis, como as startups, potencialmente terão mais facilidade neste processo”, conta.

 

Gestão financeira com o Open Banking


O Open Banking não é mais uma promessa para o futuro -- e muito menos a transformação digital na economia. A boa gestão já é digital. O gestor financeiro da nova economia precisará recorrer à inteligência de dados e escolher um stack financeiro adequado, que o ajude a navegar nas finanças dos novos tempos.


A Conta Simples é a união entre conta corrente, múltiplos cartões corporativos e software de gestão de despesas em um só lugar, o braço direito do gestor financeiro da era digital.