Mercado Financeiro

Open Banking deve aumentar concorrência entre bancos e fintechs

Foi-se o tempo em que as pessoas tinham somente uma conta bancária e a mantinham durante toda a vida. Uma pesquisa realizada pela Quanto em parceria com a Constellation aponta que a tendência entre os usuários de smartphone no Brasil é manter diversas contas bancárias. Prova disso é que, entre as pessoas entrevistadas, 75% possuem conta em mais de um banco. 

 

No entanto, apesar da abertura de novas contas, metade dos participantes afirmou nunca ter fechado uma conta bancária, e a maioria citou como motivo o medo de perder o histórico financeiro - um dado crítico para obtenção de crédito ou financiamentos. Assim, 62% afirmaram que preferem o banco digital, mas têm a conta no banco tradicional para manter as informações sobre movimentações financeiras. 

 

"A resistência da maioria dos brasileiro de encerrar sua conta pelo medo de perder seu histórico bancário é compreensível, e reforça a importância do Open Banking. Para solucionar isso, é preciso empoderar o brasileiro para ter domínio dos seus próprios dados de forma confiável e segura, independentemente do banco que os originou e se ele é cliente ou ex-cliente de uma instituição”, explica Ricardo Taveira, fundador e CEO da Quanto.

 

Mas há ainda muitos dados ocultos por trás dessa nova relação dos brasileiros com os bancos. E com a chegada do Open Banking, o cenário financeiro deve mudar ainda mais. Justamente por conta de tantas possibilidades e inovações, fizemos um webinar com o CEO da Quanto e Eduardo Dumans, sócio da Constellation, para entender um pouco mais sobre isso. Veja a seguir alguns destaques dessa conversa e assista o webinar na íntegra no fim deste post. 

 

Um em cada quatro brasileiros mudou de instituição financeira no último ano

 

Segundo Eduardo Dumans, além da facilidade que existe hoje para abrir uma nova conta, temos (nós, brasileiros) uma cabeça aberta à experimentação. "O brasileiro é um adepto ao digital. Quase todo mundo tem celular e esse acaba sendo o canal para testar novas plataformas".

 

Em concordância a isso, Ricardo pontuou que para se cadastrar em uma nova instituição financeira basta baixar um App. "Hoje, testar um banco é como testar um aplicativo". De fato, basta um celular e um pouco de curiosidade, que em minutos a pessoa pode passar a ter várias contas bancárias em vez de apenas uma.


75% das pessoas entrevistas possuem conta em mais de um banco

 

O que se esconde por trás dessa estatística? Além da facilidade já citada acima, esse dado mostra que as pessoas estão olhando cada vez mais para as fintechs, enquanto mantêm suas contas em bancos tradicionais. Mas por quê?

De acordo com Eduardo, o primeiro ponto é que dá trabalho fechar uma conta, já que alguns bancos ainda exigem uma ida à agência bancária. Além disso, "as pessoas têm várias contas em débito automático. Então é chato ter que recadastrar tudo isso", lembra o sócio da Constellation, que também apontou o fato da folha de pagamento das empresas estarem atreladas aos bancos tradicionais. 

 

Os brasileiros têm, em média, 2,6 contas bancárias

 

Com a facilidade de abrir novas contas, como já comentamos aqui, esse número não chega a surpreender. Por isso, a questão por trás desse dado é outra: dessas contas bancárias, quantas efetivamente estão ativas? Como medir isso?

 

"Por um conjunto de características, como o saldo que o cliente deixa na conta. Essa é uma métrica super importante, além de outras, como screen time e quantidade de transações", resume Eduardo.

 

Para complementar a resposta, Taveira foi ainda mais além. "A gente sabe aqui na Quanto que o Open Banking é um catalisador muito forte dessa tendência na medida que o usuário poderá ter livre escolha de como que ele acessa os dados  financeiros dele. Ou seja, se ele quiser, ele poderá acessar a conta do banco A ou banco B que ele já tem há anos, e ele poderá acessar isso através de um aplicativo que ele acabou de baixar pela primeira vez. E isso, claro, muda um pouco a dinâmica competitiva do mercado".

 

Com o Open Banking, essa média (de 2,6 contas por brasileiro) deve aumentar ou diminuir?

 

"É uma excelente pergunta porque, na prática, o custo de você ter ou abrir uma conta se torna muito mais baixo. Por outro lado, você pode acabar até mesmo gerando uma concentração bancária se o país não acertar o modelo do Open Banking, cujo ideal seria promover e empoderar o usuário final", sugere o fundador e CEO da Quanto, Ricardo Taveira. 

 

Assista na íntegra: webinar "Open Banking na Prática: a nova relação dos brasileiros com os bancos"