Open Banking

[podcast] Superintendente do Bradesco fala sobre parceria com a Quanto

Em entrevista para o podcast NegNews, da Época Negócios, o superintendente executivo de pesquisa e inovação do Bradesco, Fernando Freitas, falou como a parceria com a Quanto foi, e ainda é, estratégica para a adaptação do banco ao Open Banking.

 

Segundo ele, a inovação aberta se transformou em uma estratégia fundamental para impulsionar novas tecnologias ou automatizar processos de grandes empresas. "Hoje, não existe nenhuma empresa de grande porte que não recorra à inovação aberta como mecanismo concreto e relevante para gerar valor aos clientes”, afirmou.

 

Um exemplo disso é a parceria do Bradesco com a Quanto, que tem o banco como sócio desde 2019. Confira abaixo os alguns trechos de destaque do que Freitas falou e, no fim do post, dê o play no podcast para ouví-lo na íntegra. 

 

Fernando Freitas sobre a parceria com a Quanto


"Em 2018/2019, fomos para Londres para entender como estava sendo o início da implementação do Open Banking no Reino Unido e na Europa. E o que a gente pôde perceber é que você tinha, de um lado, os doadores de dados e, do outro lado, os receptores de dados. E na relação entre doadores e receptores, você tinha um novo modelo de negócio surgindo, o chamado middleware, que fazia a relação entre os doadores e os receptores de dados, e isso era super importante para que você tivesse de fato um Open Data acontecendo com maturidade. 

 

"Quando retornamos para o Brasil, a gente tinha algumas visões. A primeira era que o mundo de pequena e média empresa era o setor que mais iria se beneficiar do Open Banking, onde você poderia gerar muito valor para pequenas e médias empresas. A segunda era que os agregadores financeiros eram tendências bastante relevantes para que você pudesse trazer valor para o seu cliente e o cliente concedesse para a sua organização o acesso aos dados de outras instituições. E três: a questão do novo modelo de negócio, o middleware, que iria conectar os doadores e receptores de dados. 

 

"E nessa época, a gente foi tentar entender que tipo de empresa estava resolvendo esse problema. E aí, nós tivemos a felicidade de encontrar a Quanto. Conversamos bastante com o Ricardo Taveira, CEO da Quanto, e a gente acreditou que, tanto o Taveira, como o time que ele havia construído eram pessoas que tinham a capacidade de executar aquela tese de problema ser resolvido. Com isso, o Bradesco entrou como investidor da Quanto e, hoje, ela é uma de nossas parceiras estratégicas pros nossos desafios de Open Banking aqui na nossa organização. 

 

"A grande questão do Open Banking é que, hoje, a nossa organização [...]pensa muito na estrutura que nós temos, que é uma estrutura de conta corrente, onde de um lado os clientes colocam dinheiro em investimentos - injetamos dinheiro de um lado - e do outro lado nós temos produtos e serviços de crédito para oferecer aos clientes que querem antecipar algum desejo, algum sonho. Essa é uma estrutura bancária tradicional e, em cima disso, nós temos serviços e produtos atrelados. 

 

"O Open Banking acaba mudando um pouco a forma de pensar e como você pode gerar valor para clientes. A Quanto foi extremamente importante para nós porque os profissionais da Quanto tinham um mindset diferente do nosso. Eles já estavam num mundo open, onde os dados são dos clientes e nós temos que gerar valor para os clientes. [...] E para nós isso foi super importante. 

 

"Alguns casos de uso que eles trouxeram para nós [...]. Se um cliente entra, por exemplo, no site de uma imobiliária e quer verificar se o Bradesco pode dar dinheiro para ele para financiar uma operação de compra de casa, mas ele é um cliente de uma outra instituição financeira. O que a Quanto nos mostrou é que o Open Banking permitiria ao Bradesco, com o consentimento do cliente, entender o seu padrão de crédito e o seu score de crédito acessando as informações dessa outra instituição, jogando nos nossos motores e, a partir disso, em tempo real, falar: cliente, dado o seu histórico de crédito, você pode financiar as suas operações.

"Esse tipo de situação são jornadas de pessoas que estão com o mindset já voltado para o mundo do Open Banking ou do Open Data. E são esses cases que a Quanto nos trouxe e que fez o nosso time interno repensar jornadas, fluxos, valores para os clientes. 

 

"[...] através da Quanto, você consegue acessar informações que estão em outras custódias e jogar para o seu onboarding, tornando ele mais leve para o cliente, com menor fricção e já carregando as informações relevantes para que o cliente consiga abrir uma conta conosco. [...] Esses foram os aprendizados que tivemos com a Quanto".

 

Confira o podcast: