Open Banking

Quanto é 1ª fintech com as 8 certificações de segurança do Open Banking

As certificações de segurança do Open Banking são uma chancela da OpenID Foundation - entidade certificadora das APIs para Open Banking. Elas indicam que a plataforma da Quanto é comprovadamente segura e compatível com os bancos e instituições transmissoras de dados. Mas, na prática, o que isso significa para o mercado?

 

Vamos por partes. Primeiro, é interessante frisar que, para participar do Open Banking, seja qual for o seu papel - de transmissor ou receptor de dados - é preciso ter alguns certificados, como os de segurança e/ou os funcionais. 

 

Quem transmite dados precisa tanto dos certificados de segurança quanto dos funcionais. Dentro do site da OpenID Foundation, essa posição é chamada de OP - OpenID Providers. Já quem recebe dados, como é o caso da Quanto, precisa apenas dos certificados de segurança. São os chamados Relying Parties (RP) dentro do site da OpenID. 

 

Como Relying Parties (RP), a Quanto é um terceiro autorizado a fazer a comunicação de pessoas e empresas com o Open Banking. Para tanto, fomos a primeira fintech a passar por todos os testes de segurança que nos certificam ser um receptor de dados autorizado a atuar dentro do ambiente regulado do sistema financeiro aberto. 

 

Mas o que as certificações significam para o mercado?

 

Imagine que um banco queira consumir dados do Open Banking. Para receber essas informações, existe um princípio de reciprocidade. Ou seja, se o banco quer receber dados, ele precisa fornecer dados também. Dessa forma, esse banco precisaria necessariamente obter os certificados do OP - OpenID Providers - relacionado aos transmissores de dados.

Digamos que esse mesmo banco aceite expor seus dados, consiga os certificados de segurança e funcionais e, agora, gostaria de começar a consumir dados de outros bancos em que seus clientes também têm contas. Para tanto, ele tem duas opções: ou faz dentro de casa, alocando uma equipe que terá que estudar as especificações para ver como fazer essa comunicação, ou ele pode contratar a Quanto. 

 

Tudo isso, claro, gira em torno dos usuários. Quando falamos em receber ou expor dados, trata-se de um fluxo aberto somente com o consentimento dos clientes. E quando eles consentem com isso, somos a plataforma pela qual ocorre a troca de informações entre as instituições que ele - o cliente - escolheu e autorizou compartilhar seus dados. 


E no caso de uma empresa de varejo?

 

Citei o exemplo do banco, mas o caminho para participar do Open Banking é o mesmo para qualquer tipo de empresa ou instituição. Para consumir informação, é preciso expor informação. Não tem como apenas receber sem expor. Então, de qualquer forma, os certificados de segurança e funcionais são obrigatórios.


As 8 certificações de segurança da Quanto

 

Captura de Tela 2021-12-13 às 13.02.30

 

Como disse antes, a Quanto se enquadra como uma RP - Relying Parties - e, por tanto, precisa apenas dos certificados de segurança. São 8 certificações ao todo, sendo 4 relacionadas à fase 2 da implementação do Open Banking e que dizem respeito à recepção de dados; e outras 4 relacionadas à fase 3 e que dizem respeito à iniciação de pagamento.

Mas porque tantos certificados? Porque existem várias maneiras de você conversar com aquele fluxo. Cada certificação indica que a nossa plataforma está de acordo com determinadas especificações. Pensando em um fluxo de dados, é como se um banco tivesse uma entrada redonda e outro uma entrada quadrada. As certificações garantem que, ao transmitir os dados, a Quanto não terá problemas caso a entrada do fluxo do banco seja redonda ou quadrada. 

 

Quanto é sua porta de entrada para o Open Banking


Se a sua empresa quer fazer parte dessa transformação e aproveitar todos os benefícios que o Open Banking pode oferecer, fale com nossos especialistas.

 

Criada em 2016, a Quanto é pioneira em Open Banking no Brasil. Somos a plataforma que, em busca de um mercado aberto, transparente e mais competitivo,  simplifica o uso de dados e funcionalidades do sistema bancário aberto. Assim, desenvolvemos um ambiente seguro, no qual fintechs, bancos e usuários podem compartilhar dados e construir juntos as melhores soluções financeiras com o Open Banking.



Conteúdo desenvolvido em colaboração com Guilherme Vinícius Alves Pereira, Software Engineer da Quanto.

 

Leia também:

Digitalização de extrato: entenda os benefícios para quem concede crédito

Cronograma detalhado da implementação do Open Banking

Como mostrar para empresas e pessoas o valor do Open Banking (artigo do nosso CTO, Ricardo Cabral)